Zafón, um autor para todas as idades

O palácioPor Lorena Moura

Sempre achei que a maioria dos autores que escrevem para o público infanto-juvenil tratam seus leitores como crianças, e acabam simplificando o teor do conteúdo de suas obras para tentar “facilitar” a leitura para esse público. Mas a literatura  não serve para  ser simplificada ou mistificada, ela tem que ser apenas  essencial para quem a ler.  Nas palavras do autor Carlos Ruiz Zafón, este livro “ pode despertar o interesse dos leitores jovens, com idades  compreendidas entre os 9 e os 90 anos”.  Por mais que esse livro faça parte da sua coleção juvenil, ele ultrapassa essa barreira e se faz interessante para qualquer idade.  O importante é apenas gostar de ler. De ser feliz com um livro na mão e com a imaginação solta na mente.

Já ficou claro que eu sou fã de Zafón, porque para mim ler  um livro dele  é como descobrir um novo mundo a cada página. É se permitir acreditar nas ilusões criadas por este mestre da literatura. É ter acesso a um lugar que borbulha  imaginação e  onde o irreal pode se tornar real como em um passe de mágica. É de uma sutileza a forma como ele escreve que chega a dar um pouquinho de inveja(porque ninguém é de ferro, né…). O autor também nos presenteia com personagens incríveis, de personalidade forte. Todos são muito bem construídos e apresentados. E em “O Palácio da Meia-Noite”, Zafón mistura mais uma vez a amizade verdadeira, o amor, família, passado,  mistério,   justiça, o sombrio e o sobrenatural.

Essa obra conta a história de Ben e Sheere, irmãos gêmeos, que logo após o nascimento são separados, por causa de um mistério sombrio que envolve seus pais e a cidade de Calcutá.  Sheere vai ser criada pela avó e Ben será entregue a um orfanato, onde vai formar vários amigos e a Chowbar Society, uma sociedade secreta que realiza os seus encontros em uma casa abandonada, apelidada de “O Palácio da Meia-Noite”. Logo se passam 16 anos depois da noite conturbada do nascimento dos gêmeos. E mesmo já tendo passado tanto tempo, o destino vai tratar de unir os dois irmãos que  juntos terão que descobrir o mistério que ronda sua família. Mas eles vão perceber que procurar entender  o passado pode ser muito doloroso. O objetivo da Chowbar é proteger seus integrantes. E a aventura que os espera pode ser muito assustadora. Ben e Sheere  terão que entender o seu passado e junto com os outros membros da Chowbar, fugir de um espírito demoníaco que pretende acertar as contas que já estão dezesseis anos atrasadas. E quem narra esta história  é Ian, um membro da Chowbar, que tinha o sonho de se tornar médico.

Esse livro foi um dos primeiros a serem escritos por Zafón. E já é impressionante ver o seu talento aflorar pelas páginas. E pensar que aqui ele só estava começando.  Se todos os escritores escrevessem assim, sem medo de assustar ou chocar o leitor, nós teríamos uma literatura melhor para os nossos jovens e para todas as outras pessoas das  mais variadas idades.  Zafón, é um autor para todos os públicos, sem nenhuma restrição, ou melhor, apenas uma : a de que você tem que se permitir embarcar em um mundo diferente de tudo o que você já leu ou ouviu falar. Boa leitura!

Lorena Moura- Jornalista

lorenamoura87@gmail.com

 

Você também vai gostar:

Dicas de leitura para as festas de fim de ano
O extremismo contado em livro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>