Um pintor apenas

Por Clodoaldo Turcato

Ao que se aprofunda em arte, como em tudo na vida, vai esmiuçando cada vez mais e aumentando as classificações. Então, se no início você entende as grandes escolas de arte, depois de algum tempo vai descobrir intervalos não menos interessantes e artistas que não se encaixariam em nenhuma escola ou em várias. Eu, particularmente, não gosto muito destas classificações. Afinal, qualquer artista pode transitar em vários estilos e fazer uma construção ampla de experimentos que não fixam, moldam e muito menos prendem. Não se pode encher o peito e falar que é modernista, romântico, barroco, renascentista, etc. Depois do advento da fotografia e a revolução impressionista, o conceito de arte se ampliou a tal por que temos dificuldades em nos situar. É importante estar aberto para o novo, visualizar sem preconceitos e formular estudos para que a comparação seja apenas acadêmica, sem amarras. Um dos grandes artistas mundiais que é inclassificável chama-se David Bomberg.

19048650_1313844358713660_26931605_o

David Bomberg nasceu em Birmingham, Inglaterra, em 1890 e era filho de imigrantes poloneses. Em suas obras utilizava formas angulares e semi-abstratas. Com esses trabalhos o artista demonstrava toda a vitalidade que dominava o povo no início do século XX e a agitação que as máquinas estavam trazendo para a sociedade o que passou a modificar muito os costumes da população. Foi um dos mais audaciosos da geração excepcional de artistas que estudaram na Slade School of Art sob Henry Tonks e que incluiu Mark Gertler , Stanley Spencer , CRW Nevinson e Dora Carrington . Bomberg pintou uma série de composições geométricas complexas combinando as influências do cubismo e futurismo nos anos imediatamente anteriores a Primeira Guerra Mundial ; Tipicamente usando um número limitado de cores impressionantes, transformando os seres humanos em formas simples e angulares, e às vezes superpondo a pintura inteira, um forte esquema de coloração de trabalho em grade. Ele foi expulso da Escola Slade de Arte em 1913, com acordo entre os professores seniores Tonks, Frederick Brown e Philip Wilson Steer , por causa da audácia de sua violação da abordagem convencional da época.

Seja por sua fé na era da máquina ter sido quebrada por suas experiências como soldado particular nas trincheiras ou por causa da atitude retrógrada generalizada em relação ao modernismo na Grã-Bretanha Bomberg mudou-se para um estilo mais figurativo na década de 1920 e seu trabalho tornou-se cada vez mais dominado por retratos E paisagens tiradas da natureza. Desenvolvendo gradualmente uma técnica mais expressiva,ele percorreu muito o Oriente Médio e a Europa.De 1945 a 1953, trabalhou como professor na Universidade Politécnica de Borough (agora London South Bank University ) em Londres, onde seus alunos incluíram Frank Auerbach , Leon Kossoff , Philip Holmes, Cliff Holden , Dorothy Mead, Gustav Metzger , Dennis Creffield Cecil Bailey e Miles Richmond . David Bomberg House , um dos salões de estudantes das residências da London South Bank University, é nomeado em sua homenagem.

Uma de suas obras que sintetizam boa parte de seu trabalho é O Banho de Lama, um Óleo sobre tela medindo 152,5 x 224 cm, que está na Tate Gallery de Londres, Inglaterra. De início o quadro pode parecer totalmente abstrato. Na verdade, ele mostra uma sauna usada pela comunidade judaica de Whitechapel, em Londres.Figuras azuis e brancas se acotovelam e pelam no retângulo vermelho da sauna, se atirando em volta do pilar escuro. A peça é brilhante pela composição e distribuição de formar num espaço e saltitam aos nossos olhos nos atirando as formar sensuais das formadoras do quadro. A forma como Bomberg reduz a figura humana a uma série de formas geométricas pode refletir seu fascínio pela era da máquina, que ele compartilhou com os Futuristas e Vorticistas. Esta pintura também pode representar a forma humana, despojada de seu núcleo essencial.

O excelente desenho de Bombergfoi expressado também em uma série de retratos aolongo da vida, desde o início de seu “Cabeça de Poeta” de Botticelli (1913)z, um retrato de lápis de seu amigo, o poeta Isaac Rosenberg, pelo qual ganhou o Prêmio Henry Tonks No Slade , ao seu “Último Auto-Retrato” (1956), pintado em Ronda, uma meditação também sobre Rembrandt . Incapaz de obter uma posição docente após a Segunda Guerra Mundial em qualquer das mais prestigiadas escolas de arte de Londres, Bomberg tornou-se o professor mais exemplar do período imediato de pós-guerra na Grã-Bretanha, trabalhando a tempo parcial em uma escola de padaria no Borough Polytechnic (agora London South Bank University ) no distrito da classe trabalhadora da Southwark. Embora seus alunos não tenham recebido nenhum diploma e não tenham recebido nenhum diploma, ele atraiu alunos dedicados e altamente enérgicos, com quem exibiu em igualdade em Londres, Oxford e Cambridge em dois importantes grupos de artistas em que ele era a luz principal, o BoroughGroup e BoroughBottega . Desenvolveu uma filosofia de arte profundamente considerada,

Após um colapso em Ronda ,Bomberg morreu em Londres em 1957, seu estoque crítico aumentando bruscamente depois disso. Um dos admiradores de Bomberg, o pintor Patrick Swift , desenterrado e editado pensées de Bomberg, e mais tarde foi para publicá-los, juntamente com imagens do trabalho de Bomberg, como ‘The Bomberg Papers’ em seu ‘ X revista (Junho de 1960). Após o seu sucesso inicial antes da Primeira Guerra Mundial, ele foi na sua vida o artista mais brutalmente excluído na Grã-Bretanha. Tendo vivido há anos sobre os ganhos de sua segunda esposa, companheira Lilian Holt e remessas de sua irmã Kitty, ele morreu na pobreza absoluta. Seguindo a sina de muitos grandes artistas, Bomberg foi reconhecido postumamente e hoje seus quadros são leiloados por milhões de dólares.

O reconhecimento póstuma de Bomberg se justifica dado a grandiosidade de seus quadros. É uma arte diferente, desencontrada que se encontra em traços e cores. Um pirilampo que nos leva a passear nossos olhos por todos os cantos da tela e nos tira da mesmice, enaltecendo a beleza e a candura. Não importuna e não incomoda ver um quadro de Bomberg. Ao contrário, nossa alma é talhada, agraciada e refeita. O artista não era abstrato somente, não era modernista, cubista ou qualquer outra classificação. Bombergera um pintor e fim.
Outras obras do artista são A igreja do Santo Sepulcro, Lilian, Ju-Jitsu, Flores e Racerhorses.

Você também vai gostar:

Tudo pronto para A última volta do ponteiro
Das obras e óperas das palavras

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>