Um amor por vez

internet

internet

Por Lmar Macedo

Segundo as leis da vida, amamos para não morrermos rapidamente. Mas na verdade não sabemos quem a gente ama primeiro. Acredito que nosso primeiro gesto de amor, seja com a nossa mãe, por motivos de cuidar e ganharmos os primeiros carinhos e dengos. Em seguida, o nosso pai, que no começo, analisamos bem seu rosto, desenhando sua fisionomia em nossa cabeça. Depois, com o passar dos dias e meses, vem as nossas tias, que nos arrumam para passear, fazem nossos gostos, nos deixam cheios de manha. Os avós vem logo em seguida, fazendo toda aquela menção aos nossos pais. É como se eles tivessem vendo a imagem do filho já velho, naquela criaturinha nova, -nós!

O tempo passa, vamos ficando mais seletivos, espertos, com discernimento. Amamos a nossa primeira professora, aquela mulher que pega na nossa mão e nos ensina a escrever e consequentemente a ler.. Guardamos ela no melhor lugar do nosso coração e carregamos até o fim. No mesmo ambiente escolar, só que, com alguns anos depois, amamos a primeira pessoa fora dessas relações afetivas família/escola. É a primeira pessoa que amamos sem mesmo a conhecer direito. É o amor por amor, começo das transformações do ser humano na terra. É o ser humano começando a entender e deixar-se levar pelo amor.

O amor nessa fase, geralmente é só querer estar perto e sorrir. Lá pros 16, 17 anos, ele começa a sofrer por amor, leva os primeiros “nãos”, enxerga o que não deveria. É a fase da complexidade amorosa, são as perguntas batendo no cocuruto: “Se o amor é bom, por que ele dói?”-Pois é meu caro, tem que doer pra valer. Após levar vários deslizes nessa vida de amar e desamar, ele passa alguns anos pensando, refletindo, comparando esperando, criticando, chorando e talvez entendendo, ele precisa acabar com essas preocupações e medos, precisa voltar a amar alguém.

Novamente ele vai, com um pé na frente e o corpo para trás, num gesto de desconfiança. Ele precisa estar seguro de que o amor faça a parte dele, que é fazer acontecer, que é conduzir aquelas duas pessoas por lugares palpáveis e não palpáveis.

Lmar Macêdo é radialista por formação, estudante de publicidade e amante de todo tipo de arte.

Você também vai gostar:

Literatura em Teoria da Comunicação
Fôlego

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>