Por que aquele desenho bonitinho não é arte?

12884593_930309503733816_856999278_nPor Clodoaldo Turcato

Certa manhã eu estava na Rua Velha, Recife, e tomei um táxi com destino à Boa Viagem. Tinha comprado material de pintura e o taxista logo emendou uma conversa sobre arte. Disse que tinha um filho que fazia desenhos perfeitos: “Copia qualquer coisa. Tira de uma fotografia e fica perfeito”, disse entusiasmado. Em seguida tomou um desenho feito em folha A4 e mostrou a Xuxa feita em grafite.  “O que acha?”, perguntou-me. Respondi que seu menino era um bom desenhista. Ele sorriu satisfeito com um comentário embasado.

Você cara leitora deve ter encontrado algum artista que é muito bom e consegue fazer desenhos perfeitos, com todas as rugas e fios de cabelo, barba, expressões… até aquela gotinha de suor é definida. Você certamente vai soltar essa: Nossa! Esse cara produz arte de primeiro nível! Então, minha cara, eu lamento te decepcionar: ele é um ótimo desenhista, isso não significa que faça arte. E se estiver comigo, tomarei o Auto Retrato de Basquiat, um óleo sobre tela medindo 349×500 cm, grandioso, com rosto marrom e preto e a camisa em vermelho, com fundo branco e tons de azul claro e direi: Isso é arte!

Certamente você vai desconfiar que estou louco. Como que um desenho tão tosco pode ser arte e o desenho bonitinho, com todos os pêlos, unhas e brilhos não é arte? O que é isso? Esta é a principal reação de quem não estuda arte: confundir arte com desenho.

Este texto tem a elevada intenção de tentar desmistificar um pouco este engodo. Não sei se terei êxito, no entanto irei tentar.

Em primeiro lugar, para se entender arte é preciso estudar com afinco. Este estudo não significa necessariamente entrar para cursos de arte. Depende de sua intenção e o nível de conhecimento que você quer chegar. Eu nunca estive em cursos de arte. Adquiri o pouco conhecimento que tenho em livros, visitando exposições, museus e principalmente conversando com artistas e especialistas. Este conjunto de causas me deram condições de estar aqui escrevendo este texto e diferenciar claramente o que é arte de apenas um bom desenho. E qual o truque?Vamos lá.

A primeira coisa que qualquer obra de arte precisa causar é questionamento. O Autorretrato de Basquiat assusta o expectador quando se vê pela primeira vez. Uma obra enorme que nos toma imediatamente. Este incômodo é um sinal de que aquilo tem algo mais. O bom desenho não causa este estranhamento. Você vai olhar e esquecer imediatamente. Já o quadro de Basquiat te incomodará por toda sua vida e cada vez que ouvir falar dele, terás uma reação de amor ou ódio. Este é um dos fatores que indicam tratar-se de uma obra se arte. Então entramos noutro campo mais sensível, que são os valores pessoais. Você pode odiar a obra de Basquiat, por ser mais tradicionalista e preferir Ticiano, por exemplo. Isso é de cunho pessoal e devemos respeitar. Porém eu te afirmo que Amor sacro e amor profano de Ticiano, tem os mesmos elementos da obra de Basquiat. Não é possível!,gritara você. Garanto que sim.

Uma obra de arte, escultura e pintura, precisa tem velocidade, dinâmica e transmitir conceito. Então o mundo anda cheio de imagens, lotado de ilustrações que em sua maioria não se trata de arte. Já falamos aqui sobre conceito e citamos alguns trabalhos de Duchamp para exemplificar o termo de conceito. As interferências artísticas estão em voga  e são exemplos de como a arte varia, escandalizar, remonta e nos coloca sempre a questionar. Ao olha para os quadrinhos, temos um mundo de desenhos bem feitos que não são arte, mas entreterimento, embora alguns trabalhos são elevados ao nível de arte. A arte precisa ser questionadora.

Outra coisa que precisa ser entendida é a questão de tempo. Ticiano foi o grande pintor de sua época. Um tempo que não tinha a fotografia e todo o registro de imagem era feito em telas. Então você quer dizer que aquele desenho bonitinho seria arte no tempo de Ticiano? Não, não seria.  O seu desenho bonitinho não tem  velocidade, dinâmica e não transmite conceito algum. A obra de Ticiano sim, sua telas não fazem viajar pela beleza das cores e tons, suplantando o ótimo desenho.  É a mesma confusão que se faz com arte e artesanato. Uma colcha lindinha feita pela titia não passa de uma colcha; já uma colcha feita por Arthur Bispo do Rosário, por exemplo, é uma obra de arte. O tempo e as escolas de arte mudam conforme a sociedade evolui. Fazer quadros em ateliê perdeu o sentido com o avanço da fotografia e os impressionistas foram para as ruas retratar a realidade, os cubistas começaram a esticar as formas e os modernistas a jogar tinta, derrubando o conceito de que uma obra precisa ser explicada, jogando todos os pedestais no chão, jogando o expectador no centro do turbilhão. A arte precisa ser sentida!

Difícil de compreender? Você discorda? Ótimo. Isso fará você correr atrás e procurar compreender. Caso não o faça, cada vez que cruzar com um quadro de Basquiat se fará a mesma pergunta.

Clodoaldo Turcato é jornalista, escritor e artista plástico, nascido em Santa Catarina, reside na Região Metropolitana de Recife desde 2000. Apaixonado por literatura e artes plásticas, tenta fazer esta fusão entre texto e imagem

Você também vai gostar:

Marvel: Star Wars
“Como funciona a ficção” em “Se um viajante numa noite de inverno”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>