Marvel: Star Wars

marvelPor: Rafael Sanges

Há muito tempo, não numa galáxia distante, mas numa casa de ideias distintas, as histórias em quadrinhos da saga Star Wars eram publicadas pela Marvel Comics. Desde 1978, quando primeiro quadrinho da saga foi lançado, até 1993, quando a licença foi adquirida pela editora DarkHorse, ela foi o lar da franquia e um dos responsáveis pela criação do Universo Expandido. Entretanto, neste ano, a franquia regressou a sua casa original para um recomeço. E que esplêndido retorno este vem sendo.

Com a aquisição da LucasFilm pela Walt Disney Company, em 2012, que já havia absorvido companhia Marvel Entertainment três anos antes, foi decidido que a licença retornaria para a editora. Sob a orientação da corporação, a Marvel vem investindo profundamente na franquia, e selecionou alguns dos seus melhores artistas para desenvolverem as novas revistas em quadrinhos da saga. A primeira lançada, que recebe o nome homônimo Star Wars, possui como dupla criativa o escritor Jason Aaron (Thor; Wolverine; Scalped) e o desenhista John Cassaday (Fabulosos X-Men; Planetary), dois artistas bastante consagrados dentro do campo.

A história se passa entre os filmes Uma Nova Esperança e o Império Contra-Ataca, e está permeada de referências à trilogia original, cujo o tom e espírito são o alvo almejado. É surpreendente o número de alusões a cenas clássicas que Aaron consegue condensar de forma coerente e sem prejudicar o andamentologo nas primeiras edições, ele até utiliza o discurso do robô C3PO para transpor, de maneira cômica e descarada, a exposição da trama no início da história, artifício que George Lucas tanto utilizou em seus filmes. A revista consegue emular o charme e senso de aventura dos originais e o resultado é extremamente divertido.

Desde o início a ação toma conta da trama, quando vemos os rebeldes partindo para aofensiva após o sucesso de sua investida contra a Estrela da Morte. O grupo clássico de heróis, encabeçado por Luke, Leia e Han Solo invade,disfarçados,uma fábrica imperial de armas com o objetivo de sabotá-la. O teor furtivo da missão, porém, tem curto prazo, e a narrativa se deslancha num turbilhão de ação, especialmente quando o icônico vilão Darth Vader surge como o antagonista da história. Aaron não perde tempo e somos mergulhados em adrenalina desde o começo.

A caracterização acerta na mosca e corresponde com zelo aos famosos personagens. É difícil não sorrir com o jeito canastrão de Solo e seus diálogos mordazes com a Princesa, mas, sem dúvidas, a primeira metade do arco pertence a Vader e Luke Skywalker. Luke conduz a ação, ele é corajoso e impulsivo, e não pensa duas vezes em se jogar no meio dos maiores perigos para completar a missão ou salvar seus amigos. Já o Lorde Negro é quase o oposto: uma força da natureza, que caminha de forma ameaçadora e inexorável. Nenhum obstáculo se mantém em seu caminho por muito tempo.

O ponto alto da história é o encontro de ambos, quando Vader ainda é ignorante da verdadeira identidade do jovem rebelde, e acredita que ele é apenas um aprendiz inexperiente de Obi-WanKenobi, e Luke só pensa em vingança pela morte do seu mentor e suposta morte de seu pai. Se há algo de negativo neste início é a conclusão do ataque, que termina de forma abrupta e confusa, sem compreender um clímax apropriado.

A arte de Cassaday é um excelente complemento para os roteiros de Aaron. Ele é, talvez, um dos artistas mais cinemáticos dos quadrinhos no momento, e consegue capturar a semelhança do universo e atores de forma fiel e ainda manter os seguimentos de imagens fluídos, aproximando-se uma verdadeira fusão de cinema e quadrinhos. A semelhança dos desenhos e caracterização fidedigna tornam fácil imaginar sons como a respiração icônica e voz grave de Darth Vader ou o zumbido do sabre de luz, o que torna a revista, para os fãs da saga, algo ainda mais divertido de se ler.

Só resta ver se com as comuns alterações de equipes criativas, o quadrinho continuará com o nível robusto de qualidade deste início. Com os planos da Disney para a franquia no momento, pode-se esperar, no mínimo, que a saga continuará sendo tratada com carinho a atenção especial no universo dos quadrinhos.

Star Warsvem sendo publicada periodicamente no Brasil pela editora Panini, e a terceira edição foi lançada este mês de dezembro de 2015. A revista, além das histórias de Vader, traz também, a partir do segundo exemplar, a série Kanan: O Último Padawan.

Você também vai gostar:

Doze anos de Metalinguagem!
De Pernambuco se vê o mundo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>