Category: Coluna Leitura do Dia

Mais lindo que a lua

menorPor Lorena Moura

Vocês acreditam em amor à primeira vista? Eu tenho minhas dúvidas. Acho que pode até ter um certo movimento cósmico que faça com que duas pessoas se sintam atraídas em um curto espaço de tempo, mas sentir amor por uma pessoa de cara assim, deve ser algo bem sobrenatural. Talvez sejam histórias de vidas passadas, onde essas pessoas em um tempo atual sem esbarram novamente em um novo momento. Mas tudo isso ainda é uma grande incógnita. Toda essa conversa acima foi para apresentar a vocês o tema do livro resenhado esta semana por aqui, o amor à primeira vista, que é o que norteia a obra ” Mais que lindo que a lua”, novo livro da badalada escritora de romance de época, Julia Quinn.

Tudo começa quando Robert avista Victoria Lyndon. E mesmo sem saber o nome da moça, ele se apaixona por ela. E assim várias juras de amor serão trocadas por esse casal apaixonado que vive o primeiro amor de uma forma urgente. Eis que, o pai de Robert não concorda com a união dos jovens, assim como o pai de Victoria, e depois de um grande mal entendido, os namorados irão passar sete anos separados.

E claro, eles não sabem do que os pais fizeram para que eles nunca se encontrassem naquela noite no passado. Victoria, no tempo atual é uma preceptora e Robert continua sendo uma pessoa de condição afortunada. Rico. Até que por acaso, ele esbarra com Victoria e com muita mágoa dela, põe na cabeça que irá fazer com que a sua antiga paixão  pague pelo sofrimento que causou. Ele oferece um emprego a Victoria. Ser sua amante. A confusão será grande e provocará além de situações difíceis, alguns risos e suspiros. Não vou contar mais, porque poderia soltar spoilers.

O legal aqui é ver que a “mocinha”, não é frágil e não se deixa persuadir. Ela é brava e defende suas próprias opiniões. Gostei bastante desse fato, porque mostra para todas as pessoas que elas tem que manter suas convicções, lutando pelo que acreditam e jamais, em hipótese alguma, abrir mão de alguma convicção sua por ninguém.

Uma amiga minha me perguntou o que achei dessa obra e respondi o seguinte: Olha, achei o começo bem bizarro, pela forma como do nada o cara só de olhar para a moça se apaixona, mas depois a autora conseguiu fazer com que o livro crescesse e tivesse mais sentido. Ainda na minha opinião, esse não é o melhor livro de Julia Quinn, mas com certeza ainda fará muita gente suspirar. E para quem ainda não sabe, este apenas o  primeiro livro da série Irmãs Lyndon. Vem muita coisa por aí. Irei acompanhar! Boa leitura!

Lorena Moura- Jornalista

lorenamoura87@gmail.com

A casa do lago

menor CasaDoLago_CapaWEBPor Lorena Moura
 
Uma das coisas que  mais me chamaram a atenção sobre o livro “A casa do lago”, resenhado na Coluna Leitura do Dia desta semana foi sem dúvidas, a linda capa que recebeu essa obra. Sério gente, achei linda mesmo.Parece uma pintura, uma verdadeira obra de arte. De uma sensibilidade única. 
 
Mas vamos ao que interessa, a história. Em 1933 a família Edevane está preparando uma linda festa. Alice que é uma jovem escritora, está escrevendo o final do seu livro e se encontra perdidamente apaixonada. Mas eis que á meia noite, tudo muda. A família Edevane sofre uma terrível perda, um bebê some sem deixar rastros e o que seria um dia de festa se transformou em uma catástrofe e a família abandona a casa em que vive para sempre.
 
Eis que 70 anos se passam e a detetive  Sadie Sparrow que é obrigada a tirar férias, viaja para o chalé da avó na Cornualha e lá, descobre a  antiga casa dos Edevanes e a história que a envolve. E claro, como uma boa investigadora, irá procurar mais informações sobre o caso e chegará até Alice Edevane, hoje uma senhora que se tornou uma famosa escritora de romances policiais. Sadia investigará Alice e começará a escavar o passado e os segredos que ela tentou esquecer.
 
” A casa do lago” é um livro muito bem construído pela autora Kate Morton,com personagens elaborados de forma ímpar. Kate leva ao leitor a embarcar em uma longa narrativa em busca da resposta pelo mistério do bebê desaparecido. Mas na minha opinião ao inserir tantas reviravoltas  acabou deixando o leitor um pouco cansado. 
 
Deixa eu explicar o porque disso. É que ao passo que a autora vai alternando os fatos do passado e do presente, ela vai encaixando e desencaixando tudo. Vai inserindo tantos detalhes que acabaram deixando o livro um pouco exaustivo. 
 
Mas também quero destacar um outro ponto positivo, que é a  conclusão da obra que surpreende bastante. Então para mim se não fossem todos os detalhes criados ao longo de toda a narrativa, eu teria ficado mais satisfeita com a obra. O livro é indicado para quem gosta de leituras bem detalhadas. Ok?  Boa leitura!

Lorena Moura-Jornalista
lorenamoura87@gmail.com

Um beijo à meia-noite

livroPor Lorena Moura

Tem gente que tem vergonha de assumir seus gostos na infância ou adolescência, mas eu não tenho esse problema. Sempre fui fã dos contos de fada. De verdade! Sempre suspirei pelas histórias de amor, do príncipe encantado, do amor verdadeiro que tudo vence. Essas histórias leves, sempre me fizeram bem e jamais neguei essa minha paixonite por livros assim, que me fazem suspirar e acreditar ainda mais que a vida pode sim, ser mais leve. Afinal é essa esperança que nos move todos os dias, são os sonhos e expectativas que nos guiam e nos fazem bem em um mundo tão louco e corrido feito o que vivemos atualmente.

Pois bem, o livro resenhado esta semana por aqui se encaixa perfeitamente nesta lógica . “Um beijo à meia-noite”, é o segundo livro da série criada pela autora Eloisa James, onde ela repagina os contos de fada. Na história da Cinderela, somos apresentados a Kate Daltry,  uma jovem de 23 anos que não costuma frequentar os salões da alta sociedade. Após perder seu pai, ela vira refém da sua madrasta Mariana. Seguindo a forma como acontece no conto original, a nossa Cinderela moderna irá continuar realizando suas tarefas domésticas. Mas Kate é diferente da personagem original, ela é mais forte e determinada. Com a madrasta é claro, Kate ganhará também uma irmã(Victória), mas diferente do que era previsto, a irmã aqui é bastante adorável.

Victoria está prometida a um jovem rapaz. E para que a união deles aconteça, Victoria deve ser aprovada pela família do jovem. Mas quando está prestes a viajar para ser apresentada a família, ela sofre um acidente e sua mãe resolve enviar Kate disfarçada para salvar a pele da irmã. É quando  Kate conhece Gabriel, um príncipe que como adianta a sinopse do livro, é irresistível e também irritante. Mas claro que a atração entre eles é imediata. Mas Gabriel já está prometido a outra mulher, uma princesa, diga-se de passagem. E sua união irá salvar o castelo onde vive por causa do dote da sua futura esposa. Gabriel lutará contra todos os seus desejos para esquecer Kate. Afinal, para ele ela é Victoria e está prometida para o seu sobrinho. Uma loucura! Mas será que ele vai conseguir esquecer Kate? E Kate, será que ela irá perder o seu sapatinho de cristal?

Durante toda a obra, Eloisa James nos guia por um mundo encantado e cheio de momentos engraçados e sim, repletos de muito amor. Com sua narrativa leve, ela vem nos conduzindo por um espaço mágico e cheio de modernidade. Eu adorei! Achei empolgante e apaixonante! Indicado para todos que assim como eu, adoram um bom conto de fadas. Boa leitura!

Lorena Moura- Jornalista

lorenamoura87@gmail.com

Lady Whistledown contra-ataca

menorPor Lorena Moura

Quem aqui é fã de Romance de Época? Pois bem, esse gênero literário vem bombando e conquistando milhares de leitores. Vi muita gente que passou a ter esse estilo de leitura como um de seus favoritos. Eu gosto bastante, tanto que trago agora na Coluna Leitura do Dia, o livro  “Lady Whistledown contra-ataca”, que é uma doce e deliciosa leitura. 

O livro é fruto da união das autoras Julia Quinn, Karen Hawkins, Mia Ryan e Suzanne Enoch. Achou bagunçado? Não é. Tudo é amarrado pelo desaparecimento de uma pulseira,  o bracelete de Lady Neeley, e claro, pela personagem incrível criada por Julia Quinn, em Os Bridgertons, Lady Whistledown, a colunista social da época.

Como falei, são quatro contos curtos que compõem a obra. Em ” O primeiro beijo”, escrito por Julia Quinn, acompanhamos um jovem caçador de fortunas que ficou encantado pela debutante mais desejada da temporada. Ele precisará provar que o que deseja é o coração da jovem e não o dote dela. No segundo “A última tentação”, de Mia Ryan, uma criada está deslumbrada com as atenções românticas que tem recebido de um lindo conde. Mas um relacionamento entre eles seria escandaloso demais para a época e poderia arruinar a reputação dos dois. Em ” O melhor de dois mundos”, criado por Suzanne Enoch, uma jovem que passou a vida evitando escândalos de repente se vê secretamente cortejada pelo maior libertino de Londres. Imagina só, que loucura! E finalizando o livro, Karen Hawkins nos apresenta ” O único para mim”, onde um visconde que vaga sem destino volta para casa para reacender o fogo da paixão de seu casamento, mas descobre que sua linda e decidida esposa não será conquistada tão facilmente.

E depois de toda essa apresentação e de toda a torcida pelos personagens principais desses contos, o leitor não pode se esquecer de tentar solucionar o mistério pelo sumiço do bracelete. Terá sido o caça-dotes? O apostador? A criada? Ou o libertino? Um deles está envolvido no crime. E você já arrisca dizer quem é o culpado? Eu tive minhas dúvidas, mas consegui descobri quem era. Agora cabe a você leitor, tentar solucionar o mistério e se encantar com esses quatro contos de amor.  Eu gostei de todos, mas se fosse para eleger o melhor, particularmente fiquei mais encantada com o  de Julia Quinn.  E fiquei bastante surpresa também com a qualidade da obra, pois é difícil escrever a quatro mãos e ainda envolver um mistério que estará interligado em todos os contos. Os fãs de romance de época irão adorar essa obra. Boa leitura!

Lorena Moura- Jornalista
lorenamoura87@gmail.com

Tipos Incomuns (Algumas Histórias)

foto menorPor Lorena Moura

O novo ano começou e já estou com muitos livros para resenhar por aqui. É que aproveito qualquer tempo livre para me dedicar a novas leituras. Ler é uma das coisas que mais me deixam feliz. E para começar 2018 com o pé direito, trago para vocês a primeira obra de ficção do ator, ou melhor dizendo, também escritor, Tom Hanks. O astro que é conhecido em todo mundo pelas suas grandes atuações em filmes de Hollywood estreou esses dias na arte da escrita.

A obra “Tipos Incomuns- (Algumas Histórias) ” é uma coletânea de contos que apresenta com muito humor e inteligência as pessoas, seus defeitos e suas vidas. Entre essas histórias temos um affaire agitado e divertido entre dois grandes amigos. Um ator medíocre que se torna uma estrela e se vê em meio à frenética viagem de divulgação de um filme. O colunista de uma cidadezinha com um ponto de vista antiquado sobre o mundo. Uma mulher se adaptando à vida na nova vizinhança após o divórcio. Quatro amigos e sua viagem de ida e volta à Lua num foguete construído num fundo de quintal e muito mais.

Uma das coisas que chama a atenção e também acaba revelando a paixão do ator/escritor Tom Hanks é o seu encantamento por máquinas de escrever. Isso mesmo,você não leu errado. O astro coleciona diversas máquinas, dos mais variados tamanhos e formas. Então, em todos os contos não se surpreenda se uma máquina de escrever estiver presente. Ela vai estar. Ás vezes se destacando mais e em outros contos desempenhando um papel menor. Mas o fato é que elas sempre estarão presentes.

O livro é de leitura rápida, isso porque a escrita de Hanks é fluída, sem muitos rodeios. O que o torna especial é que ele trata da normalidade do dia a dia, essa sensação boa  que embala a vida das pessoas. São situações rotineiras que vão construindo a vida desses personagens. Afinal, é no dia a dia, aqueles sem datas comemorativas, que a vida de verdade vai acontecendo. Não espere histórias cheias de ação, efeitos especiais ou sei lá mais o que. Nesta obra você irá encontrar a normalidade da vida. Vale a pena conferir! Boa leitura!

Lorena Moura-Jornalista

lorenamoura87@gmail.com

 

Centelha Mortal

livroPor Lorena Moura

Nem acredito que já estamos na última semana do ano e que como consequência disso, essa é a última resenha de 2017. O que me deixa feliz é que terei mais 365 dias para conhecer novos autores e me encantar com novas histórias e personagens. E para fechar o ano com chave de ouro, trago na Coluna, o livro do meu autor preferido, Jeffery Deaver. A obra “Centelha Mortal”, é a última publicada no Brasil e trás um novo caso do famoso detetive Lincoln Rhyme em parceria com  Amelia Sachs.

Rhyme está de volta, em busca de um assassino que transforma a cidade de Nova York em sua refém. É que o criminoso utiliza a rede elétrica para matar. Tudo começa quando um ataque ocorre e quase destrói um ônibus, e as autoridades por temerem se tratar de um ato terrorista, convocam Lincoln Rhyme, a detetive Amelia Sachs e o oficial Ron Pulaski para analisar a cena do crime. O assassino, ou seriam assassinos, criam verdadeiras bombas de energia e utilizam contra as pessoas.  E ninguém está seguro, porque como vocês bem sabem, a energia está presente na vida de todo mundo, chegando em todo lugar… Na cozinha, no banheiro, no elevador e em todos os outros lugares. Uma arma que nas mãos erradas se torna muito perigosa.

Em paralelo a isso Rhyme está prestando consultoria em outra investigação importante que está acontecendo no México. Por lá, uma equipe busca o Relojoeiro. Lembram dele? O assassino foi um dos poucos criminosos que conseguiram escapar do perito criminal. No meio de toda essa pressão, a saúde de Rhyme é afetada e grandes reviravoltas irão testar a paciência, inteligência e saúde do detetive.

E mais uma vez, é claro, o autor Jeffery Deaver dá um verdadeiro show no quesito, construção de personagens e narrativa. Sem nenhuma falha, ele conduz o leitor a uma aventura contagiante. Deaver não cansa nunca. O livro pode ser lido de uma vez só, tamanha sua fluidez. Não cansa em nenhum momento e no final, nos deixa com a sensação de querer sempre um pouco mais de páginas. Espero que em breve, tenhamos novas obras de Deaver. A média é de um novo livro do autor a cada dois anos. Aqui no Brasil, os livros são publicados pelo Grupo Editorial Record. Pessoal, por favor tragam mais obras desse mestre. Urgente! Livro indicado para os que assim como eu, amam um bom romance policial. Boa leitura!

Lorena Moura-Jornalista
lorenamoura87@gmail.com