Arte urbana, a mais antiga das artes

Por Clodoaldo Turcato

Shiko

Shiko

Quem vive numa cidade enorme como Recife, se depara todos os dias com expressões artísticas espalhadas pelas ruas. Prédios, muros, pilastras, viadutos, veículos, construções, etc, servem de suporte para que pessoas se manifestem com imagens, escritos, cores e toda forma de atividades que formam a arte urbana.

O streetart, ou arte urbana, são intervenções urbanas artísticas com temáticas que contornam desde a política até religião, passando por problemas sociais e etc. Esta arte pode ser feita por meio da pintura, esculturas ou instalações. Seja de que forma for, a arte urbana é uma arte marginal, e não está atrelada a nenhum padrão estético. Sendo assim, considera-se a arte urbana uma arte livre.

A arte urbana ou de rua não é novidade. Só para citar, Rafael e Michelangelo criaram suas maiores obras em afresco, que nada mais é do que arte criada sobre suporte em céu aberto.  E com o passar dos anos, a criatividade da pessoa humana nunca cessou.

Como se cunhou arte urbana como uma arte livre, temos de tudo pelas ruas das cidades. Como tudo em arte, cabe ao espectador se emocionar ou simplesmente odiar estas manifestações. Já escrevemos sobre arte e expressão artística, logo não vamos nos alongar.

]No Brasil e no mundo, a arte de rua tem estado presente nas maiores e mais importantes cidades, geralmente, em muros e de grande escala, esta arte – além de embelezar a cidade de um jeito econômico e muito original, fazendo cada cidade ser única e ter seu próprio estilo – ela também faz o papel da denúncia e do protesto. E há também uma outra importante característica desta arte, o papel da inclusão social.

Vários artistas do estilo promovem a arte por meio de suas intervenções, estimulando a criatividade em jovens e crianças de partes mais remotas da cidade. Muitas comunidades mais pobres são convidadas a se juntarem aos artistas para, juntos, transmitirem uma ideia, conceito ou mensagem política, ou apenas para criar arte e beleza.

Com cerca de 20.000 anos de evolução cultural por trás disso, o grafite, a pichação ou streeturbanart ainda é arte e nada parece capaz de deter a sua popularidade fenomenal. A ideia simples de desenhar em uma parede tornou-se algo verdadeiramente extraordinário em um mundo cada vez mais emparedado e murado. Percorremos um longo caminho desde as pinturas nas cavernas. Era inevitável que o roteiro fosse substituído por imagens e se destacassem com contrastes excepcionais. O advento do grafite ilustrado foi, sem dúvida, responsável pelo impulso maior de seguidores entre a população em geral. Como o estilo da escrita é quase completamente ilegível para o olho destreinado, fotos em grafite permitem uma mensagem mais clara, mais pungente.

De tudo, algumas manifestações não passam de tinta atirada a suporte sem significado, diminuindo a força deste tipo de expressão. Pichações em prédios e sem autorização são muito comuns, transpondo apenas revolta pessoal e tirando a beleza que um desenho como de Shiko, Bozó Bacamarte, Derlon e tantos comungam nas ruas e vielas das suas cidades.

Diversas técnicas são utilizadas pelos artistas de rua, embora a intervenção “grafite” seja a mais associada ao tema de arte de rua. Segue abaixo alguns exemplos de arte urbana.

 

  • Grafite: desenhos estilizados geralmente feitos com sprays nas paredes de edifícios, túneis, ruas. Há muitas técnicas de grafite e atualmente os trabalhos em 3d chamam a atenção dos críticos.
  • Estêncil: parecido com o grafite, esse tipo de técnica utiliza o papel recortado como molde e o spray para fixar as ilustrações e desenhos nas ruas, postes, paredes.
  • Poemas: qualquer tipo de manifestação literária que surge no ambiente urbano, seja nos bancos, paredes, postes.
  • Autocolantes e Colagem: chamado de “sticker art” (arte em adesivo), esse tipo de arte utiliza a aplicação de adesivos pela cidade.
  • Cartazes: Muito comum esse tipo de intervenção urbana, também chamada de “cartazes lambe-lambe”, donde se fixam cartazes (papel e cola) pela cidade, sejam em postes, praças, edifícios, feitos manualmente ou impressos.
  • Estátuas Vivas: muito encontrado nas grandes cidades como forma de entretenimento turístico, as estátuas vivas realizam um importante trabalho com o corpo, os quais permanecem estáticos durante longo tempo, realizando pequenos movimentos. Geralmente estão pintados e caracterizados.
  • Apresentações: essas apresentações de rua podem ser de caráter teatral, musical, circense (malabaristas, palhaços, etc.), sendo trabalhos solos ou em grupos.
  • Instalações: são inúmeros tipos de instalações artísticas como exemplos de arte de rua, sejam objetos, materiais distintos, com o intuito de provocar uma mudança no cenário já existente.

 

De todas as manifestações, as cidades sem arte de rua ficariam mais tristes. As cores elevam nosso espírito e nos faz entrar em contato com toda uma gama de gente sensível e competente, ouum grito que vem das comunidades menos favorecidas que encontram nestes manifestos uma maneira de serem ouvidos. A arte é um caminho que não pode ser impedido. Mesmo o que eu ache ruim e descabido precisa existir, para que a beleza floresça e haja paramêtros.  Quando você cruzar com um murro pintado, lembre-se que por trás daquele desenho ou inscrição existe uma alma, um grito, uma verdade.

 

Você também vai gostar:

Contradições
O simples pode não ser tão simples assim

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>