A voz se eternizou. Adeus ao repórter do Bandeira 2

a3c0f8a230d320310ac0a366c55c7bcaPor: Adriano Portela

A voz que já chegou a alcançar a maior audiência do Brasil, precisou ser silenciada na madrugada de hoje. O Rádio brasileiro perdeu um dos seus profissionais mais marcantes, Gino César – o repórter do Bandeira 2.

Durante seus trinta anos na Rádio Jornal do Commercio, Gino marcou uma história tanto na vida dos seus ouvintes como no cotidiano de quem chegou a trabalhar com ele, no sistema JC de Comunicação. Em 2003, ainda como estagiário na TV Jornal, tinha – assim como todo estudante de jornalismo – a vontade de matar algumas curiosidades, a primeira delas era descobrir onde ficava a sala do repórter do Bandeira 2. Como todo novato, fui devagar, e a primeira vez que avistei Gino César, foi de longe, por volta da meia-noite, saindo em seu próprio carro para fazer uma ronda policial. Mas estava tão longe que só vi a sombra do seu tradicional chapéu. Passado alguns dias, consegui o feito, e o primeiro impacto, ao entrar na sua sala, foi encontrar uma máquina de escrever – máquina essa que ele usou até o seu último dia de trabalho. O melhor de toda essa curiosidade, foi que conheci um cara muito simples, muito educado e com muito tino para o trabalho. Criador de jargões como: “E atençãoooo”, “a vítima levou uma saraivada de balas”.. Gino é um profissional insubstituível!

Agora o nosso repórter irá galgar outras missões. Podemos dizer que, com a partida de Joaquim José da Silva – nascido em 5 de março de 1936 na cidade de Rio Formos, na Zona da Mata Sul do Estado; radialista por mais de 60 anos – encerra-se uma era do Rádio Brasileiro. Que Deus o tenha!

Notícias do NE10:

O radialista Gino César, apresentador dos programas Plantão de Polícia e Bandeira 2, da Rádio Jornal FM/AM (780), faleceu na madrugada desta terça-feira (17), aos 79 anos, no Recife. Gino estava internado desde o dia 4 deste mês no hospital Hapvida, no bairro do Espinheiro, e, na noite dessa segunda, o estado de saúde dele piorou e o radialista foi transferido para a UTI, onde faleceu por volta das 2h30, vítima de infarto.

O radialista já havia sofrido um outro infarto no meio do ano, quando passou por cateterismo e colocação de dois stents. Na época, ficou internado por 21 dias. No ano anterior, o radialista havia sido internado com sintomas de cansaço, quando foi diagnosticado com edema agudo no pulmão. O velório começará às 12h na capela do Cemitério de Santo Amaro, na área central do Recife; o enterro será às 17h.

Curiosidades:

 Ele adotou o pseudônimo Gino César na época em que era ator de radionovela, nos anos 50. O interesse pelo gênero começou ainda era criança, por volta dos 12 anos de idade. Como radio-ator, interpretou papéis infantis, galãs e participou de radionovelas religiosas.

A oportunidade de noticiar temas policiais apareceu em um plantão de Carnaval na Rádio Jornal, na década de 60. Passado o período, Gino recebeu a proposta de continuar com flashes sobre o assunto. O nome do programa, “Bandeira 2″, surgiu por causa da grande quantidade de assaltos a taxistas durante a madrugada, quando é cobrada a tarifa bandeira 2. 

Durante os mais de 30 anos que trabalhou na Rádio Jornal – onde conseguiu a maior audiência do Brasil -, Gino enfrentou ameaças de morte e atentados. A casa e o carro do radialista chegaram a ser alvo de balas. Quando questionado sobre o assunto, dizia que, coincidência ou não, as ameaças apareciam após denúncias contra a má atuação de policiais. 

Para apuração e leitura das matérias, Gino nunca usou computador. Não se incomodava de redigir tudo em uma máquina de datilografar. Mesmo com a escassez no mercado, conseguia comprar as fitas em livrarias. Confiava na máquina que já conhecia.

Gino era solteiro e deixa três filhos (um homem e duas mulheres) e três netos. Certa vez, foi questionado sobre se tem ideia do que representa para a história do rádio. “É o que dizem”, retrucou modestamente, entre risadas.

Fonte: http://noticias.ne10.uol.com.br/grande-recife/noticia/2015/11/17/gino-cesar-a-voz-do-bandeira-2-morre-aos-79-anos-581081.php

Você também vai gostar:

Frida Kahlo e os três grandes
Por que aquele desenho bonitinho não é arte?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>