A tentativa de colocar o sol numa caixa

12399198_880725718692195_1349249826_nPor: Clodoaldo Turcato

Há quem torça o nariz para algumas obras de arte. Há quem diga que alguns quadros e esculturas até um menino de cinco anos com algum material faria. Este espectador ao estar diante do Quadro negro do russo Kazimir Malevich, uma tela de 100X65 cm, pintada sobre tela que consiste num quadrado negro com um quadrado branco ao fundo, dirá: você só pode estar brincando que isso vale um milhão de dólares. E se eu escrever que este quadro está num dos mais importantes museus do mundo sendo uma das telas mais vistas, o leitor achará que eu estaria enlouquecendo. Então nos atiremos a fazer quadros negros. Bastam duas cores, uma tela e um único pincel para enriquecermos em poucos instantes. A coisa não é bem assim.
A arte sempre esteve envolvida com política. Todos os grandes movimentos artísticos surgiram em meio a transformações da sociedade. A revolução é em si uma forma de dar um basta e recomeçar. Porém nenhum movimento foi tão profundo quanto o concretismo russo.
A Rússia pré-revolucionária suportava a derrota na guerra de 1904 com o Japão. A culpa pela humilhação foi atribuída ao Czar Nicolau II. Além disso, a classe trabalhadora, que compreendia a maioria da população, estava amargamente desiludida com as condições de trabalho, os baixos soldos e as jornadas que o Czar e seus comparsas aristocráticos obrigavam a suportar. Sua fúria culminou em 22 de janeiro de 1905 numa marcha de protesto que terminou no Palácio de Inverno do Czar, em São Petersburgo. O monarca ordenou que a polícia reprimisse a marcha e cem trabalhadores morreram, no que foi denominado Domingo Sangrento. O movimento de trabalhadores foi vencido, mas a semente da revolução, que acabaria derrubando Nicolau II e o levando a morte com todos os seus familiares, fora plantada.
Enquanto Trotsky, Lênin e Stalin conspiravam e planejava criar uma forma de governo igualitária nunca experimentada, a vanguarda artística do país tencionava fazer uma arte como nunca se fizera antes, um estilo igualmente avançado e democrático, chamado arte não objetiva. O comunismo não deu certo, já a arte russa não objetiva deu forma ao designe moderno do século XX e forneceu bases para o minimalismo que emergiria nos Estados Unidos cerca de cinquenta anos depois.
Wassily Kandinsky foi o primeiro artista a flertar com o concretismo. De qualquer maneira, as obras dele dão condição para que o espectador participe e tente encontrar imagens e formas para explicar a obra. A arte sempre fora uma tentativa de representar algo: uma pessoa, uma igreja, um lago, etc. Cabe ao expectador decidir se foi bem feito ou não. No concretismo não cabe interpretação. Os artistas do movimento sugerem tirar o sol de seu lugar e guarda-lo em uma caixa. Assim a terra poderá girar liberada das influências de sua luz. Então, a ideia concretista era retirar toda a influência exercida pela arte até então de uma maneira drástica. “Não há nada para ser interpretado. A obra é o que é, uma expressão de nada”. O Quadro Negro de Malevich é apenas um quadro negro e nada mais. Não existe o que interpretar. É incomodo, inconveniente, simplório… um quadro negro com fundo branco: fim. Nega-se “arte pura” e procura-se abolir a ideia de que a arte é um elemento especial da criação humana, separada do mundo cotidiano. A arte, inspirada pelas novas conquistas do novo Estado Operário, deveria se inspirar nas novas perspectivas abertas pelas técnicas e materiais modernos servindo a objetivos sociais e a construção de um mundo socialista. Caracterizou-se, de forma bastante genérica, pela utilização constante de elementos geométricos, cores primárias, fotomontagem e a tipografia.
O Construtivismo ou concretismo tinha a convicção de que o artista podia contribuir para suprir as necessidades físicas e intelectuais da sociedade como um todo, relacionando-se diretamente com a produção de máquinas, com a engenharia arquitetônica e com os meios gráficos e fotográficos de comunicação. A arte torna-se instrumento de transformação social, participa da reconstrução do modo de vida e da “revolucionarização” da consciência do povo, deseja satisfazer as necessidades materiais e organizar e sistematizar os sentimentos do proletariado revolucionário – seu objetivo: não a arte política, mas a socialização da arte.
Como Malevich, a escultura de Vladimir Tatlin representava bem este modo prático de ver arte, como em Contra relevo de canto, de 1914, uma escultura em técnica mista de 78,8 x 152,4 x 76,2 cm.. Com um trabalho que decorre exclusivamente das diferentes propriedades dos materiais empregues: metal, madeira, vidro, cartão, ferro, gesso etc. As superfícies surgem marcadas por fumo, pó, etc. Incorporando a própria história ou as marcas deixadas nos materiais. Os jogos de cor resultavam da exposição nua dos materiais, sem os jogos ‘irônicos’ entre a simulação e a superfície da colagem cubista. As qualidades dos materiais deveriam ser explicitadas pelas suas relações. O controle rítmico e a construção derivam do material e do tratamento que lhe pode dar. As construções de Tatlin não buscam a representação de objetos ou ideias. Elas são objetos reais, projetados para ocupar espaços reais, projetado para ocupar o canto de uma sala, na posição que os tradicionais ícones religiosos ocupavam nas casas de família. Apresentado assim, provocativamente como um novo ícone.
De qualquer maneira, aqueles artistas russos foram capazes de reduzir tudo a nada de modo a expor mais do que sabíamos estar lá. É uma questão de equilíbrio e óptica, tensão e textura. Mas que isso, porém, é uma questão de inconsciente. Uma arte que gostamos, ou não, sem saber ao certo por quê. Juntamente com Malevich e Tatlin, destacan-se Rodchenko, Popova e Lissitzky, artistas visionários brilhantes e pioneiras na primeira arte totalmente abstrata.
Semana que vem vamos falar de Brasil: aqui se faz arte, meu senhor.

Clodoaldo Turcato é jornalista, escritor e artista plástico, nascido em Santa Catarina, reside na Região Metropolitana de Recife desde 2000. Apaixonado por literatura e artes plásticas, tenta fazer esta fusão entre texto e imagem.

Você também vai gostar:

Por que aquele desenho bonitinho não é arte?
Gustave Coubert, um libertador

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>