A obsessão pelo detalhe

Por Clodoaldo Turcato

16144820_1174978875933543_1119201395_n (1)A obra de Albrecht Altdorfer é impactante. Está á a palavra que melhor cabe ao ver um quadro deste artista. Outros poderiam achar minuciosa, cuidada, bem feita ou então poética. Todas cabem, porém o impacto me parece o melhor sentimento.

O elemento fundamental de sua pintura era a paisagem, à qual se integravam as figuras sem, no entanto, receberem destaque. Suas montanhas, lagos e bosques não tinham tratamento naturalista, representando criações fantásticas e irreais, reforçadas pelo emprego que o artista fazia da cor e da luz, o que levou muitos críticos a considerá-lo um antecessor remoto do romantismo. Também fez desenhos em branco e preto sobre papel colorido, cuja representação da natureza também predominava. 

Pintor, desenhista, arquiteto e gravador alemão nascido em Regensburg, hoje Ratisbona, considerado o primeiro mestre da escola do Danúbio e o primeiro pintor paisagista europeu. De origem burguesa, estudou com o pai e terminou sua formação artística em Amberg. Sabe-se que trabalhou como arquiteto em sua cidade natal, embora nada reste de sua obra arquitetônica, e que morreu na mesma cidade em que nasceu. 

Sua obra prima sem dúvida é Batalha de Alexandre em Issos, um óleo sobre madeira medindo 1342 X 120 cm, Uma ampla paisagem alpina domina a cena de batalha. O grande panorama enfatiza  a importância do combate que acabou de acontecer, sem concentrar-se diretamente nele. Altdorfer foi um dos primeiros artistas a colocar a paisagem em destaque, fazendo dela um elemento importante no quadro. Um grande painel paira acima de Alexandre, o Grande, que está num carro puxado por cavalos, à esquerda do centro da composição. Ele explica ao expectador que Alexandre conquistou uma grande vitória sobre Dario. A própria batalha é mostrada em detalhes vívidos, nos quais o pintor era mestre.  Ele era um cidadão eminente e um arquiteto famoso na sua cidade, Regensburg. Altdorfer valeu-se do vulto heroico de Alexandre Magno e reproduziu a história da batalha em seu quadro . O quadro apresenta os soldados de Alexandre deslocando-se da direita para a esquerda, enquanto os soldados persas fazem o movimento contrário. No plano superior do quadro, há a figura do Sol despontando entre as nuvens do lado das tropas de Alexandre. Já no persa estão presentes a Lua e as trevas. O curioso é que Altdorfer quis ser o mais fiel possível ao contexto da batalha e acabou por colocar na tela elementos que iam além de uma simples representação de um confronto armado.

Para obter a maior exatidão possível, o pintor e o historiógrafo da corte, que o assistiu, recorreram a CurtiusRufus, do qual foram extraídos os números, supostamente precisos, de participantes da batalha, bem como o número daqueles que sucumbiram e dos que foram feitos prisioneiros. Os números encontram-se inscritos nas faixas das tropas, nas quais se alude ao número de mortos que, no quadro, encontram-se ainda entre os vivos, e que talvez até mesmo segurem a faixa de sol a qual perecerão. Trata-se de um sabido anacronismo, do qual Altdorfer lançou mão no intuito de tornar a representação da batalha manifestamente fiel.A obra se encontra no Museu AltePinakhotek, em Munique, Alemanha.

Outras obras suas são muito valorizadas e conhecidas, como A Penitência de S. Jerônimo (1507), São Jorge e o dragão (1510), A Natividade (1513), A ressurreição (1518), O Departamento de S. Floriano (1520), Vista do Vale do Danúbio/Regensburg (1520-1525) e Alegoria (1531).

Em 1311, fez uma viagem pelo Danúbio e pelos Alpes austríacos; os cenários que encontrou sem dúvida temas que reforçaram sua inclinação para paisagem. Depois disso produziu uma série de pinturas e desenhos representando paisagens puras dos lugares por onde andou.

Altdorfer seguia a temática da época e o modelo renascentista de pintar, no entanto suas cores vibram em tons acima da média e por isso recebe o título  justo de mestre. A fixação pelos detalhes nos brindam com verdadeiros shows de composição e realismo. Ver Altdorfer e não sentir uma pancada é quase impossível.

Você também vai gostar:

O mundo de colorir
Cenas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>