A criatividade transforma a leitura

mentirasPor Lorena Moura

O livro resenhado desta semana é, “ As mentiras de Locke Lamora”. A  primeira obra  do autor Scott Lynch, que também  já foi escritor freelance de RPG.  A ideia é que este será o primeiro  exemplar de uma série de sete obras no total. Mas isso não quer dizer que cada livro seja a continuação de outro. Este romance inaugural não deixa pontas e apresenta de forma brilhante o autor Scott Lynch que construiu uma obra inovadora.

Em um mundo imaginário somos apresentados a cidade de Camorr, que a julgar pela descrição  e a minha imaginação eu diria que nos faz lembrar uma Veneza mais antiga. E é nesta cidade que vive Locke Lamora e o seu pequeno bando de ladrões, os famosos Cavalheiros Bastardos. O nosso personagem principal, é um órfão que desde cedo se metia em confusões e sempre ficou conhecido por aplicar golpes. Mas claro que ele precisava de um mentor, e Chains, um falso padre, o ajudou na arte do disfarce e roubo. Vocês podem estar começando a pensar que essa história é sobre um novo Robin Hood, mas não é… Locke rouba dos ricos, mas ele não divide seu lucro com os pobres. Tudo que é conquistado no roubo, é dividido apenas entre ele e seu bando. Espertinho, né? Mesmo Locke demonstrando sempre ser uma pessoa esperta e corajosa, ele nos passa também  a ideia de que precisa de atenção e amor.  Um órfão que necessita ser compreendido e aceito.

Scott Lynch construiu uma obra diferente.  Com uma narração bem construída e com humor, ele mistura diversão e aventura em um mundo sem comparativos. Só achei que ás vezes ele tenta detalhar tanto que acaba ficando um pouco tedioso.  Mas não tiro o mérito deste autor. Afinal, ele ousou e construiu uma boa obra, com muitas reviravoltas e aventuras inesquecíveis.

A criatividade é a alma de todos os negócios. Seja ela aplicada a um novo empreendimento, ou na elaboração de um novo livro. Porque só a criatividade e a imaginação podem transformar uma realidade. E com isso mudar também a literatura e as nossas leituras sagradas de cada dia. A arte de se reinventar só nos oferece pontos positivos. E um viva a todos os autores que tem como certo  a procura por estar sempre se inovando e reinventando também a forma de contar uma história. Boa leitura!

Lorena Moura-Jornalista

lorenamoura87@gmail.com

Você também vai gostar:

Agatha Christie e o seu Expresso Oriente
O primeiro livro jovem adulto de Sophie Kinsella

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>